Investidores Anjos têm um Bull Market pela frente: hora de investir em startups, diversifique seu portfólio.

50 anos em 5 – Talvez um dos slogans mais conhecidos da história brasileira, que marcou o Governo Juscelino Kubitschek, e também representou prosperidade econômica com a construção das rodovias, crescimento da indústria automobilística e principalmente a inauguração de Brasília, com seu aspecto ultramoderno perdido no meio do cerrado tupiniquim.

O Bull Market (em tradução livre, mercado de touro) é um termo utilizado para definir um contexto financeiro em que o valor de um ativo, após um histórico coeso de sucessivas altas, tende a subir ainda mais no futuro.

Apesar das duras notas veiculadas diariamente pelos meios de comunicação, a realidade é a que a pandemia também trouxe oportunidades preciosas para alguns setores.

Tem se tornado comum, nestes tempos, as entrevistas de produtores de conteúdo e outros empreendedores digitais, relatando o crescimento significativo que tiveram nesse período.

A bem da verdade, é que muitos empresários já conheciam o marketing digital e o e-commerce, mas nunca foi dada tanta atenção a este tema, com o propósito de crescer as vendas, como agora.

Esta mudança de consciência, que está acontecendo “na marra”, está fazendo muitos negócios se reinventarem e escalarem no meio digital, de forma surpreendente (50 anos em 5)

E por esse motivo os Investidores Anjos e fundos de Venture Capital, podem estar diante de um verdadeiro Bull Market, quando falamos de investimentos em startups.

O principal motivo é que as startups possuem uma estrutura enxuta e capacidade de mudanças rápidas, mesmo em cenários desafiadores como o que estamos vivendo.

Outro ponto, é a queda da Taxa Selic: por muito tempo, a rentabilidade dos títulos públicos e da renda fixa desencorajaram investidores a tomarem maiores riscos diversificando seu portifólio. Esta questão conjuntural do país, manteve, por anos, o capital “escondido debaixo do colchão”, enquanto o empreendedorismo padecia pela falta de crédito para expansão dos seus negócios.

Com a mudança deste cenário, podemos estar diante de um Bull Market, para investimento em negócios digitais (aliás, mais dia menos dia, todos os negócios se tornarão digitais, pelo menos em partes) e embora as startups carreguem em seu DNA, a incerteza, por outro lado elas têm a capacidade de crescer mais rápido do que os negócios tradicionais (muitos inclusive, que foram diretamente afetados pelos efeitos do COVID-19).

Apesar disso não estamos nem perto, do Vale do Silício, onde o ecossistema, bem mais maduro, se fortalece, tanto na abundância do capital, quanto como um celeiro de empreendedores bem preparados.

Por aqui, o que vemos, é que não irá faltar dinheiro, mas as boas oportunidades de investimentos, não é para amadores.

Quero chamar a atenção para um fato, que precisa ser esclarecido definitivamente para empreendedores e para investidores: Quem deve procurar quem?

Vejo muitos empreendedores buscarem investimentos, como se a única coisa que lhes faltassem fosse o dinheiro. Mas a verdade é que um empreendedor que tem capacidade real de execução, consegue validar hipóteses com pouco ou nenhum dinheiro. Este perfil, mais raro, no Brasil, é o que representa, uma oportunidade real para um investidor desse mercado.

Precisamos subverter a lógica. Se por um lado, o ambiente está convidativo para o capital, por outro, o empreendedor precisa compreender que ele não está tomando um financiamento, mas sim abrindo mão de uma parte da sua empresa, em troca de um crescimento acelerado.

O sonho dourado de um investidor, é que ele seja a primeira ligação de um empreendedor, que já conseguiu provar suas hipóteses de negócio e que agora só precisa crescer. Mas na prática, o que vemos é uma grande “feira de boas ideias”, onde poucas validações já foram comprovadas.

Lembre-se, uma ideia sem execução, é só uma ideia!!

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Se há investidores e dinheiro no mercado, por que então os empreendedores tropeçam na hora de captar?

Uma das razões para isso é de caráter educacional, pois “ninguém aprende ser empresário” durante a escola ou a faculdade.

Por esse motivo, mesmo com a liquidez em alta, as oportunidades de investimentos em empreendedores maduros e startups realmente estruturadas são escassas.

Por isso, acredito no papel dos Hubs de Inovação e nos Programas Educacionais de Aceleração de Negócios. Os empreendedores precisam estar mais preparados para as rodadas de investimentos e saber escolher quais os investidores que deseja.

Nossos programas, na WeGo, visam evangelizar empreendedores, empresas e investidores sobre as regras deste novo jogo, aquilo que chamamos de startup mindset.

Mais do que o retorno sobre investimento, o sucesso da startup pode ser avaliado pelo impacto socioeconômico, que ela traz. Ou seja, a possibilidade de ganhar escala global, gerando emprego e renda, e benefícios para a sociedade é uma realidade que se repete. Vejam casos como do Uber, por exemplo!

Coluna: Empreenda Startup

Feijó – CEO da WeGo Hub de Inovação

Fundador do Movimento IDEIA e voluntário do Startup Weekend.

contato@wegohub.com.br

Espero que tenha gostado deste conteúdo, e se quiser saber um pouco mais, conecte-se com a gente, @wegohub.

Se inscreva em nosso canal https://youtube.com/wegohub, e faça parte do nosso grupo de Whatsapp: bit.ly/wegovip, onde compartilhamos, todos os dias, inovação e empreendedorismo.

Lá você também pode agendar uma mentoria comigo e outros mentores parceiros para melhorar os seus conhecimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *